Categorias
Comportamento Social Media

4 ciladas no LinkedIn para você cair fora

Há tempos estou com esta pauta anotada aqui nos rascunhos.

Certos comportamentos de algumas contatos que tenho no LinkedIn vem me chamando a atenção e até causando certo desconforto. Inclusive me vi obrigado a desfazer o laço com grande parte destas conexões, que ao meu ver agem de má fé e prejudicam toda uma comunidade.

Cético que sou, comecei a analisar com mais calma estas publicações duvidosas que de vez em quando surgem no feed do LinkedIn. Foi aí que resolvi listar 4 ciladas que você pode encontrar ou já encontrou por lá.

Só criticar não resolve, concorda? Então além de comentar a cilada, fiz questão de propor uma alternativa plausível para reverter o quadro em cada caso.

Vem comigo!

Cilada #1 – Vagas por e-mail

Por que não faz sentido?

Você acha que esta pessoa vai mesmo copiar todos estes 4.515 e-mails para criar uma base? Sejamos coerentes. É evidente que este usuário se aproveita do algoritmo do LinkedIn, que destaca as publicações mais “relevantes”, para se autopromover. Outro detalhe importante: você está deixando seu e-mail exposto para qualquer pessoa. Faz sentido? Se pra você isso não importa, retiro minhas palavras.

O que eu faria?

Caso as vagas de fato existam, criaria uma página simples e gratuita no WordPress ou outra plataforma similar, onde disponibilizaria as vagas abertas. Em seguida, divulgaria apenas o link desta página na publicação, ao invés de pedir o e-mail das pessoas. Desta forma, somente quem de fato tem interesse poderia acompanhar as vagas, podendo inclusive, assinar o RSS da página para receber por e-mails as últimas atualizações.

Cilada #2 – Grupos de WhatsApp para vagas

Por que não faz sentido?

O esquema é o mesmo da cilada #1, mudando apenas o meio, que neste caso é o WhatsApp. Só nesta publicação, vemos mais de 11 mil números de telefone novamente expostos, sedentos para participarem de um grupo com vagas de emprego. A pessoa que fez esta publicação não vai adicionar número por número em um grupo. Eu duvido muito! Além do mais, a capacidade máxima nos grupos do WhatsApp é de apenas 256 pessoas. 😉

O que eu faria?

Como a comunicação proposta é 1:N (1 para muitos), não vejo sentido em ter um grupo no WhatsApp. Sendo assim, considero aqui a mesma solução apresentada na cilada #1, que é a criação de uma página WordPress  para disponibilizar as vagas disponíveis. Depois, compartilharia apenas o link no LinkedIn, para que as pessoas interessadas tomassem conhecimento.

Cilada #3 –  As vagas dos sonhos de qualquer mortal

Por que não faz sentido?

Trabalhar em casa com ganhos de até R$ 10 mil, quem não quer?^^

Oferta tentadora, né? O grande problema é que quando o milagre é muito, o santo é teimoso e sempre fica com o pé atrás. Antes de se candidatar a uma vaga como esta, questione quem é esta “empresa nacional de 27 anos de mercado”. Ela tem nome? Existe? Quem trabalha lá? Para qual função a vaga é destinada?

Isso tá com cheiro de cilada, Bino!

O que eu faria?

Se for uma oferta realmente honesta, deixaria as informações claras aos interessados.

O nome da empresa precisa ser mantido em sigilo? Ok. Mas e as demais informações que descrevem a vaga? É um direito do candidato ter acesso a elas. Transparência é bom e a gente gosta!

Cilada #4 – Planilhas mirabolantes por e-mail

Por que não faz sentido?

Da mesma forma que comentei nas ciladas #1 e #2, repito aqui: o criador desta planilha sensacional não vai se dar ao trabalho de coletar os milhares de e-mails deixados nos comentários para enviar o material.

Faz sentido pra você? Se não fizer, também retiro minhas palavras aqui.

O que eu faria?

Se o objetivo realmente for compartilhar conhecimento e ferramentas com outras pessoas – o que é algo incrível –  disponibilizaria o arquivo no Dropbox, Google Drive, Box ou serviços similares. É simples, prático e não dói!

Quer saber quantas pessoas acessaram o link para download? É possível! Basta encurtar a URL da página de download com o Bit.ly, e você terá um resumo do número de visitas à página, bem como a origem do tráfego. 🙂

E aí, o que achou? São ciladas ou estou paranoico?

Conhece alguma outra cilada que deixei de citar aqui? Me conta!

Uma resposta em “4 ciladas no LinkedIn para você cair fora”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *